A ÚLTIMA LUZ DO DIA

November 2010
Museu da Cidade, Lisboa
Variable dimensions Wood, steel, concrete, projected paper, traditional ceramic roof tiles, wood with oil. Curator: Nuno Faria
TEXT BY

WALL

António Bolota’s exhibition at Lisbon City Museum was coloured by his fascination with George Perec, more specifically with his novel Life: A User’s Manual.The rooms were filled with large-scale sculptures, corresponding to geometric forms (parallelepiped, prism, cylinder) which were also identifiable as architectural elements (boundary wall, roof, internal wall) and demonstrative of the materials that created them, from the vernacular connotations of the tile to the paradox of the use of paper in the large cylindrical structure. These were visible from outside, but only while there was daylight, because the exhibition was deliberately not lighted.The wall, however, perhaps because it is a crude typology of architectural language and the most interesting area of confrontation with the sculpture and its capacity to produce gestures of delimitation, warrants special attention. Bolota had been working with the ‘wall’ typology in diverse ways: suspending it, turning it into an internal wall, or into a building, or just making the ‘wall’ a wall. A mere wall.At this point we should mention the sculpture presented in the City Museum. The sculpture, finished in sprayed concrete (like the lane separators and barriers often seen on motorways), massive and ostentatious, crossed the internal space of the White Pavillion, going through the window glass and extending outside. This notion of sculptures crossing spaces like ghosts is recurrent in António Bolota’s work. They become liquid, or merge with the walls, or sink into the ground.But this wall went right through the glass of the façade so that, on the outside, it blocked the path of the peacocks strutting around the garden.The most interesting thing, however, is that, when crossing the wall, the glass was diverted from the axis. I suppose most visitors would have taken this deflection as an error of parallax, the effect of refraction. But that type of deflection would, in fact, only be processed that way if it was refraction due to immersion in water. The sculpture, in this sense, did not cross from the inside of the White Pavillion to the outside, but did precisely the opposite, turning the interior of the exhibition space into an aquarium.The poetic beauty of that gesture, the process of conversion of state that the sculpture proposes is a theory on the density of space, on how the way in which the space is used gives it different densities. Yes, we all know that space has different densities.But we needed a wall turned into a sculpture to show it to us.

Guided tour. The Speech
Let us retain the title of this exhibition, for it will be of use a little later on. a Ultima luz do dia (the last light of the day) is AntOnio Bolota’s widest–ranging individual exhibition to date and has been undertaken in the sequence of two significant interventions produced by the artist, in 2010, in the city of Porto, respectively in the independent space A Certain Lack of Coherence and in the Galeria Quadrado Azul.  The propositions that AntOrli° Bolota has been carrying out place him in a position of radical singularity within the contemporary art scene in Portugal.The use of industrial construction materials, the adoption of the large scale, and the constant dialogue which he has been entertaining with architecture are recurrent and distinctive elements.  Always unique and unrepeatable, the artist’s interventions establish a dialogue with the structure of the buildings in which they are installed, in a rigorous design of demarcation and mediation of the physical limits of the space. They are thus affirmed in the concrete space and are immediately projected beyond it, turning it into an abstract entity, like another element of the intervention.
For the particular vitreous architecture of the Pavilhao Branco, which opens onto the gardens of the Palacio Pimenta, the artist conceived a series of interventions which are articulated, in a logic of disclosure and concealment, with both the scale and the symbolic nature of the building and the place.
The three sculptures set up in the Pavilhao Branco establish a game of geometry around the three basic forms – the prism, the cylinder and the parallelepiped – without losing a material connection to the elements of the architectural grammar to which they originally refer; namely: the roof, the interior building wall and the exterior boundary wall.
These fundamental and archetypical figures define a dialogue among themselves in terms of volumetric density, of scale and texture, in the way they create passages, divert or bar the viewer’s access and experiencing of the space, or how they constantly resonate and reflect each other.
Yet, as frequently occurs with António Bolota’s work, neither the key to the meaning nor the identity of the interventions lies in their monumentality. Living exclusively on the natural light that comes in from the exterior – captured, elided, redeployed in a game of minute and almost imperceptible differences and nuances -, a Ultima luz do dia proposes architecture’s space as a place of affections, of memories and revelation.  In essence, it is about providing a perceptive experience whose culmination takes place at nightfall, precisely at the time when luminosity is at its lowest, on the verge of disappearance. There, the richness of the visit for which each viewer is summoned, whose ephemeral and fleeting nature establishes it as a unique, non conveyable moment, becomes tangible and integral. We perceive with greater clarity that the title of the exhibition is not rhetorical or poetic, but rather sensorial and material, both primitive and metaphysical at the same time, like the space that Bolota creates. After all, the subject of architecture is light and bodies.

Fold. The Writing
Like all important art, Antonio Bolota’s interventions are elementary in the way they present themselves and complex in the way they resist interpretation or, to use a psychoanalytic term, internalisation.
Taken from fundamental geometric forms, Bolota’s sculptural vocabulary integrates the space, the scale of architecture and the projection of the human body (the viewer’s body) within that space as primordial and immutable elements.Those geometric forms unfold, generically in his work and specifically in this intervention, into architectural structural elements, such as the exterior boundary wall, the interior building wall, the roof, the pillar or the beam. And this is the visible, immanent grammar of his work.
However, what really gives it meaning is a negative or interstitial semantic logic that runs through all of his interventions, comparable to the way in which the obvious conceals the obtuse in the realm of poetry, words so often referring to a meaning/ a sound/a place/a body that lies beyond them, the presence enunciating in itself an absence.
One could say that António Bolota’s interventions are, in thesis, devices that activate the unconscious mind. Notice the way in which the use of the above–mentioned archetypical elements brings to light, induces the questioning of inertias acquired in the experiencing of or the inhabiting of a certain space through a process of memory activation, as empiric–emotional faculty and, paradoxically, becomes a process of progressive loss.
The strangeness which these architectural elements convoke, even if familiar and immediately recognisable, has both more obvious reasons — the scale, that clearly refers more to a disturbing presence or invasion of the space than to an element consistent with the surrounding context, the way in which they are diverted from a more direct function, the duplication and/or the marking of the limits of the space, installing a new order within the prevailing order (like a rewriting, a redrawing) — and more invisible, yet more palpable reasons.
It is at this point that we return to memory as a factor that unleashes the conditions of perception of this intervention: firstly, to the memory of a body, more organic and animal (we move within this space like cats in an unfamiliar context); secondly, to intellectual memory, both plastic and geometrical at the same time, that places on a same reflexive platform the two fields, the two languages that AntOnio Bolota converges, as a fold, in the physical and emotional space of the viewer: architecture and art.
This fold, which at first seems to be easily taken apart as a problem of context (it concerns de–contextualised architectural elements) and code, or, better still, of the suspension of the incredulity characteristic of the codes of hermeneutics of art (it concerns works of art which are sustained by a tradition of breaking the codes of the subjects with which it dialogues), has, however, a density.
By proposing a relation of constant tension with the limits of the space, in a logic of rigorous demarcation of a kind of imaginary limit, Bolota places the pieces in another dimension which is not that of the space of the exhibition or museum, bringing the ephemeral and fleeting experience of the city to the interior of architecture or, mutatis mutandis, the exhibition space to its own exterior, establishing the aesthetic experience as a space of alterity.
To transcend the space of the museum is a political gesture, refractory to any state of dialectic representation, to impose the plurality of reality. In order to stress to the limit that porosity or impurity of the space that is proposed to the viewer, Bolota superimposes one last limit: the fading of the light up to the limit of visibility.The last light of the day that remains impregnated on the white, rough-textured wall of the most mysterious and challenging piece of the exhibition. Like a circular, utopian vision of the world.

Recriar Espaços

"Sobre um alto e largo muro de concreto, um pavão equilibra-se passeando sobre toda a sua extensão. O muro rasga a parede de vidro do edifício e entra pelo pavilhão branco do museu da cidade adentro. Como o pavão, também nós temos de contornar o muro para entrar num local que já conhecemos mas que teremos de voltar a descobrir. É comum que os artistas, ao utilizarem este espaço, tenham a tentação de o manipular, de maximizar as suas condições (uma arquitetura de metal e vidro, prodiga em luz e reflexos) ou, simplesmente, de fazer projetar essa luz sobre as obras mas poucos o transfiguraram de um modo tão radical como António Bolota.

A sua escultura aproxima-se com frequência do vocabulário formal da arquitetura, sendo este convocado para projetos de escala ambiciosa que são, sobretudo, plataformas de experienciação do espaço. Ao contrário de outras propostas, em que a mera fruição hedonista da circulação é um fim em si mesmo, "A Última Luz do Dia" é uma instalação que promove no espectador uma aguda e física consciência da sua posição e do seu papel na ativação de um lugar.

As estruturas que Bolota utilizou - um enorme paralelopípedo-rectângulo de cimento e um largo cilindro de gesso e metal coberto por uma húmida pasta de papel - não desmultiplicam o espaço, antes o pressionam, forçando o espectador a desbravar o seu caminho no espaço disponviel que resta.

No segundo andar, a experiencia inverte-se. Um telhado gigantesco, onde nos podemos empoleirar, cobre grande parte do espaço, inclinando-se sobre a luz do jardim. A casa e a sua pele exterior, o telhado, revertem posições; o corpo do passante transforma-se então no corpo recolhido do observador que por instantes se liga ao exterior numa operação que é a própria transformação da arquitetura em escultura.

Baralhando o dentro e o fora, o grande e o pequeno, António Bolota cria as condições para o sentimento do corpo, da sua condição contingente, e ao mesmo tempo torna explicito como essa condição participa na construção do olhar.

Assente em processos e premissas que ecoam a influencia do minimalismo, "A Ultima Luz do Dia" articula ar, luz, massa, matéria, forma, num dispositivo escultórico que já não tem outra função que a de vivificar pela natureza da circulação a condição do espectador.

..."

In Expresso, Revista ATUAL nº1988, 4 de Dezembro de 2010, p.30.

TEXT BY

Uma casa num pavilhão

Por vezes esquecida ou mesmo desconhecida do publico, é uma das mais simples e graciosas dádivas da arte ao espectador: a experiencia da obra com o corpo e os gestos, e os jogos que daí se declinam. Andar à volta dela, seguir-lhe os passos, entrar em cena (com ela). Ou enfrentá-la fisicamente, tomar-lhe o espaço. Ir à procura. Tudo isto pode ser vivenciado em "A Ultima Luz do Dia", exposição individual de António Bolota (benguela, Angola, 1962) no pavilhão branco do museu da cidade, a mais ampla do artista e que surge na sequencia das realizadas no Porto em 2010, no espaço independente "A Certain Lack of Coherence" e na galeria Quadrado Azul.

Contém três intervenções no edifício que revelam traços do fazer de António Bolota: pela escala monumental, o carácter vigoroso das suas esculturas (são gigantes), a relação com a arquitetura (recordamos se realiza no âmbito da Trienal de arquitetura de Lisboa) e o uso de materiais industriais de construção (betão, aço, gesso e madeira).

Sigamos então para "A última Luz do Dia", como se fossemos a personagem de um longo plano-sequencia. Do lado esquerdo, um muro em forma de paralelepípedo impede a passagem, interrompendo do pavilhão sem sinais de violência, beijando apenas o vidro recortado (o vidro predomina na arquitetura do edifício). Imposto o recuo, buscamos outro caminho antes de entrarmos nele finalmente. Então, numa das salas do rés-do-chão, uma construção em forma de cilindro ergue-se do soalho ao teto. Branca, monumental. E, empurrados contra a parede circulamos (à sua) volta, curiosos, desinquietos, como se a qualquer momento nos fosse revelar uma passagem secreta, um esconderijo. Nada ou tudo: zonas de luz e sombra. E um repto ao contacto com a materialidade física da escultura: a superfície é suave(feita de pasta de papel sobre metal e gesso), contrasta com a imponência da forma.

No primeiro andar, um telhado, suspenso em vigas de madeira, recebe e rebate a claridade, convidando-nos a baixar o corpo e a reparar noutros espaços, habitualmente fora de cena. O odor seco e pungente da madeira (impregnada com óleo queimado) e a textura "calcinada" que cobre as vigas parecem sugerir uma construção com ou depois do fogo. Mas para lá dessa terrível imagem ("destruição", "ruína", como escreveu Óscar Faria a propósito do trabalho exposto na " A certain lack of coherence"), é a experiencia intima do lugar que prevalece: um sótão a meia-luz transformado em passeio misterioso, "erguido" aqui e ali por cortes de luz, pelas relações entre a gravidade e o peso.

Voltamos ao rés-do-chão e, especialmente, ao muro em cuja superfície cinzenta os efeitos do tempo criaram diferentes tonalidades. E em vez de um obstáculo imaginamos nele uma ponte ou (porque não?) uma entrada. Uma entrada do quotidiano - o interior e exterior ligam-se - não há fora e dentro. Saímos, afastamo-nos uns metros, para junto do jardim e " A ultima luz do dia", desenha, por instantes, uma casa, com o seu telhado e a sua parede. Acabada de nascer, esculpida no pavilhão por António Bolota. Podia ser a nossa.

in Jornal Público, Ípsilon, 14 de Janeiro de 2011, p40.

Construir Arte

"Com um percurso a fugir à regra, António Bolota ganhou um espaço autónomo na escultura portuguesa."

Sempre foi um fazedor de coisas. Na Benguela da sua infância, a madeira, o barro e o zinco eram materiais de eleição de António Bolota para construir brinquedos. Um privilégio e uma riqueza que trouxe consigo aos 13 anos para um Portugal rural no pós 25 de Abril. Nada mudara na pequena aldeia na Beira Alta para onde foi viver na casa da avó. Só os ovos estrelados com batatas fritas e um carinho doce de uma senhora de cabelos brancos, pele envelhecida e um manto negro sempre a cobrir-lhe o corpo. O desenho continuava a ser o seu escape. Sempre. Mesmo quando, já em Lisboa para prosseguir os estudos, teve que prescindir de um curso nas Belas-Artes e optara pelo o de engenheiro civil. "Senti que era criminoso matricular-me em Belas-Artes quando não tínhamos nem sopa para comer".

A labuta veio a seguir a dezasseis meses de tropa nas funções de topógrafo. Começou a trabalhar numa empresa de construção civil. Nasciam os seus dois filhos, Diogo e Joana, e o trabalho era de sol a sol. Para trás ficavam lentamente os desenhos, a BD, os cartoons, a pintura. "Estava a ficar empedernido", a constatação era-lhe feita pela mulher. A resposta a um anuncio para aulas de pintura em Cascais foi o primeiro passo para a mudança. Uma espécie de terapia ocupacional que não o saciou. "Sem medo da folha de papel", juntou-se a Isa Duarte Ribeiro e a Henrique Albuquerque no Grupo de Bicesse. Multiplicavam-se as experiencias com a pintura, intensificavam-se as descobertas e fluía o puro prazer de desenhar. Nascem os Zart, um grupo que pelejava pela "coisa alternativa", um modo muito particular de, no meio da arte, conseguir experimentar. Exposições em espaços não convencionais como o Hospital Júlio de Matos, numa abertura a outros artistas, jovens a precisar de apoio na sua maioria, pautou a sua atuação quase como uma obsessão (já em nome individualmente, o seu mecenato continuou em Lisboa, no Atelier da Rua Bartolomeu 5, nas lojas por vender nos Terraços de Bragança e atualmente está cativo na Avenida da Liberdade, 211). Mas tolhia-lhe o desenvolvimento artístico. O curso de escultura no Ar.Co foi o passo decisivo.

"Havia uma clara clivagem entre o querer ser pintor e engenheiro, ao contrário do que acontece entre a escultura e a engenharia". Aí, realça, os pontos de contacto passam pela sua relação natural, forte e direta com a geometria e pelo convívio permanente com arquitetura. "As peças acontecem-me diariamente nas obras", diz sem rodeios. E, de facto, o paradigma da construção é uma das essências do seu trabalho. A ele se juntam uma poética muito própria e o calor de uma linha sensorial bem definida. Em diálogo estão sempre a escala e o espaço, numa medição de forças entre o limite de ambos, numa alegoria com a capacidade física do trabalho do homem. E é esse extravasar de forças que oferece a cada peça uma dimensão artística a baralhar profano e sagrado, efémero e perene.

" A Última Luz do Dia" é o mais recente trabalho do artista. Três peças construídas em torno da volumetria do espaço na sua relação direta com a luz. Telhado, parede e muro/telha, papel e betão tanto como funcionam como caminho para espectador como o impedem de caminhar ou não fosse a relação do corpo com apeaça escultórica a matéria de trabalho de Bolota: "Há qualquer coisa nas minhas peças que faz com que, não sendo monumentais, se projetem sobre o corpo do espectador e o tornem pequenino".

In Jornal Expresso, Revista ATUAL nº1986, 20 de Novembro de 2010, p.26.